Terceira edição do Fronteira começa com obras de duas importantes mulheres cineastas

18/03/17

Os dois primeiros dias do III Fronteira Festival Internacional do Filme Documentário e Experimental foram marcados pela exibição de obras criadas por mulheres: Rita Azevedo e Abigail Child. Ambas tiveram suas mais recentes obras abrindo o festival. Na noite de ontem (17) foram exibidos os primeiros filmes da mostra da portuguesa Rita Azevedo Gomes, “A 15ª Pedra” e “Correspondências”. A mostra segue hoje com a exibição de “Frágil como o mundo” e “A Vingança de Uma Mulher”. *

 

A sessão de abertura, que aconteceu na noite da quinta-feira (16/3) no Cine Ritz, deu a cara do evento: dar luz e compartilhar obras de fronteira que questionam o mundo e que tiram o público de seu local de conforto. Foi assim que as dezenas de pessoas que compareceram à sessão de abertura deixaram a sala depois de assistirem a duas obras de Abigail Child: “The Future is Behind You” e “Acts and Intermissions”. A sessão também abriu o Festival BIS, que acontece ao lado do Fronteira.

 

“Acts and Intermissions” fez estreia mundial. Este é outro objetivo do Festival: ser espaço para que os realizadores possam mostrar suas novas produções. O compromisso em trazer novidades é tamanho que a obra da cineasta americana foi programada pelos curadores do festival mesmo antes de estar concluída. Goiânia foi palco de uma première inusitadíssima.

 

“Que maravilha fugir dos clássicos, dos produtos que estão aí massificando todo mundo”, comentou o ator Guido Campos Corrêa ao deixar a sessão. Para ele, o público deseja essa proposta de cinema que se arrisca. “O cinema de frente é aquele em que você se arrisca. Esses festivais dão essa cara, assumem essa frente que é o experimentalismo, de uma forma muito bem conduzida, narrada e querida pela plateia”, comenta. Ele também se referia à BIS, que pela primeira vez acontece ao lado do Fronteira.

 

Child esteve na primeira edição do Fronteira e sempre chamou a atenção dos realizadores do festival pela forma como trabalha com a montagem, utilizando de forma impecável material de arquivo e cenas contemporâneas. Vinícius Berger, produtor audiovisual, que teve oportunidade de conhecer Child no Fronteira em 2015, elogiou a nova produção. “Os filmes dela são superpotentes. Eu gostei muito de como ela mistura as imagens de arquivo com imagens atuais. O trabalho de montagem, reconstrução e de som são incríveis”, comenta. Na da sexta-feira, 17/03, outras seis produções de Child foram exibidas.

 

Sobre os filmes

 

The future is behind you cria uma história de ficção composta por um arquivo familiar anônimo da Europa de 1930, reconstruído para enfatizar a aculturação de gênero em duas irmãs que brincam, correm, brigam, se beijam e crescem juntas sob a sombra da história que se aproxima. Ao mesmo tempo biografia e ficção, história e psicologia, The future is behind you escava gestos para explorar a sedução especulativa da narrativa; procura uma ponte entre histórias privadas e públicas.

 

Acts and Intermissions é o segundo de sua triologia sobre Mulheres e Ideologia. Cada parte questiona: Como as ideologias falham com as mulheres? Do que nós abrimos mão em nossa luta para ser mais do que "meramente femininas"? O primeiro da trilogia, UNBOUND, reconta a história de Mary Shelley, examinando o Romantismo do século XIX através de "filmes caseiros imaginários", filmados em Roma. O segundo filme explora Emma Goldman e o Anarquismo, filmado em Nova Iorque, em uma série de capítulos não-hierárquicos de memória fragmentada. A estrutura do trabalho é influenciada por filmes tão diversos quanto os 32 curtas-metragens sobre Glenn Gould e o Surface Tension de Hollis Frampton. A terceira parte da trilogia irá explorar a ciência no século XXI, com foco na mulher virtual e nos androides.

 

Correspondências foi inspirado nas cartas trocadas entre dois grandes poetas portugueses, Sophia de Mello Breyner Andresen e Jorge de Sena, durante o exílio do último (1957-78). Por meio de sua poesia e de suas cartas, o filme constrói um diálogo entre a saudade e o pertencimento, o desejo de preencher anos de distância com horas de conversa. Ao mesmo tempo, ele estabelece uma correspondência com nossas próprias vidas, ficcionalizadas sob os laços e os nós que nos unem.

 

Fronteira Festival segue sua programação até o próximo sábado, 25/03. Acesse a programação completa e os detalhes e destaques de cada dia em www.fronteirafestival.com ou nas redes sociais.

 

* PS: O filme O Som da Terra a Tremer, de Rita Azevedo Gomes, foi trocado de dia e horário com A 15ª Pedra, da mesma cineasta. Nesse caso, O Som da Terra a Tremer será exibido na 2ª feira, 20/03, às 15h, no Cine Cultura. A obra será projetada em 35 mm.